Blog da Paulinha

Críticas, Dicas, Vídeos, Notícias, Receitas e tudo mais.

4.7.11

Métodos Contraceptivos

Postado por Paula R. Cardoso Bruno |

Passados mais de 40 anos sobre o início da comercialização da pílula, as opções em termos de contracepção são múltiplas. Conheça as vantagens e desvantagens de cada uma e descubra qual a mais adequada para si. A escolha de um método contraceptivo eficaz e de confiança deve ser feita de acordo com as necessidades do casal, que podem variar ao longo da vida.

Os métodos contraceptivos dividem-se em cinco grandes grupos:

Métodos de barreira


Métodos de barreira
Imobilizam os espermatozóides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e de haver fecundação. Estão disponíveis dois tipos:

Espermicidas (sob a forma de óvulos, creme ou espuma)

Utilização: aplicação vaginal antes do início da relação sexual.
Probabilidade de engravidar
: no índice de Pearl (número de gravidezes indesejadas, em 100 mulheres, durante 1 ano de uso do método), tem uma taxa de falha entre 7 a 10.
Vantagens:
não precisam de receita médica.
Desvantagens:
têm baixa eficácia quando utilizados isoladamente e não protegem das doenças sexualmente transmissÍveis (DST), pelo que devem ser associados ao uso do preservativo; podem causar irritações ou alergias em ambos os parceiros.

Preservativo masculino

Utilização: um por cada relação.
Probabilidade de engravidar:
índice de Pearl: 4,5 a 6.
Vantagens:
é o único método indicado para a prevenção das DST; não precisa de receita médica. Pode ser retirada gratuitamente nos postos de saúde e em campanhas do governo, como no Carnaval.
Desvantagens:
no caso de má colocação ou rotura durante o ato sexual, perde a sua eficácia; ocasionalmente, pode causar alergia.

Camisinha Feminina

A camisinha feminina é uma "bolsa" feita de um plástico macio, o poliuretano, que é um material mais fino que o látex do preservativo masculino.
Essa bolsa recebe o líquido que o homem libera na relação sexual, impedindo o contato direto dos espermatozóides com o canal vaginal e com o colo do útero da mulher, evitando assim a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, a transmissão do HIV, e prevenindo a gravidez não planejada.
A bolsa tem 15 centímetros de comprimento e oito de diâmetro, sendo, portanto, bem mais larga que o preservativo masculino. Tem, porém, maior lubrificação.
Na extremidade fechada existe um anel flexível e móvel que serve de guia para a colocação da camisinha no fundo do órgão genital feminino. A borda do outro extremo termina em outro anel flexível, que vai cobrir a vulva (parte externa da genitália).

Como usar

Para colocar a camisinha feminina encontre uma posição confortável.
Pode ser em pé com um pé em cima de uma cadeira; sentada com os joelhos afastados; agachada ou deitada.
Camisinha Feminina
Segure a camisinha com o anel externo pendurado para baixo;
Camisinha Feminina
Aperte o anel interno e introduza no órgão genital feminino ; com o dedo indicador, empurre a camisinha o mais fundo possível (a camisinha deve cobrir o colo do útero);
Camisinha Feminina
O anel externo deve ficar uns 3 cm para fora da órgão genital feminino - não estranhe, pois essa parte que fica para fora serve para aumentar a proteção (durante a penetração, órgão genital masculino e órgão genital feminino se alargam e e então a camisinha se ajusta melhor);
Camisinha Feminina
Até que você e o seu parceiro tenham segurança, guie o órgão genital masculino dele com a sua mão para dentro de seu órgão genital feminino.
Com o vaivém do órgão genital masculino, é normal que a camisinha se movimente.
Se você sentir que o anel externo está sendo puxado para dentro, segure-o ou coloque mais lubrificante; uma vez terminada a relação, retire a camisinha apertando o anel externo; torça a extremidade externa da bolsa para garantir a manutenção do esperma no interior da camisinha; puxe-a para fora delicadamente.
Cuidados necessários ao usar a camisinha feminina
Usar a camisinha feminina desde o começo do contato entre o órgão genital masculino e o órgão genital feminino.
Transar uma única vez com cada camisinha feminina. Usar a camisinha feminina mais de uma vez não previne contra as DST e gravidez.
Guardar a camisinha feminina em locais frescos e secos.
Nunca abra a camisinha feminina com os dentes ou outros objetos que possam danificá-la.

Métodos hormonais


Métodos hormonais
Atuam inibindo a estimulação do ovário, não permitindo a ovulação.
Probabilidade de engravidar:
índice de Pearl: inferior a 1.
Vantagens:
além da ótima eficácia contraceptiva, desempenham um papel protector contra várias doenças (em particular, doenças benignas da mama e do ovário e osteoporose); ajudam a regularar ciclos menstruais e minimizam as dores pré-menstruais (dismenorreia); diminuem o risco de cancro do ovário e do endométrio; melhoram a acne.
Em Portugal, estão disponíveis cinco tipos:

Pilula oral

Utilização: 3 semanas de 1 comprimido diário, 1 semana de descanso sem terapêutica.
Desvantagens:
fácil esquecimento; influência medicamentosa; vómitos ou diarreias.

Adesivo dérmico

Utilização: 1 por semana durante 3 semanas. Deve ser colocado na face externa e superior do braço ou aplicado acima da linha dos pêlos púbicos.
Vantagem adicional:
não obriga a um cuidado diário.
Desvantagem:
é preciso ter cuidado na frequência de saunas e banhos turcos ou com a aplicação de cremes na pele, para evitar o descolamento do adesivo.

Anel vaginal

Utilização: anel flexível contendo uma baixa dosagem hormonal que a própria mulher aplica na vagina só uma vez por mês e retira ao fim de três semanas.
Vantagem adicional:
muito prático; existe um serviço gratuito de alertas via sms para lembrar o dia de aplicar e retirar o anel, o que diminui o risco de esquecer o seu uso.
Desvantagens:
receio da mulher em saber aplicá-lo.

Implante subdérmico

Utilização: bastonete de plástico com 4 cm de comprimento por 2 mm de diâmetro que é colocado na face interna do braço, por baixo da pele, assegurando uma eficácia contraceptiva durante três anos. A sua colocação exige o recurso a anestesia local e é aplicado, pelo médico, através de uma agulha.
Vantagem adicional:
elimina o risco de esquecimento; indicado para mulheres com história de anemia e de menstruações abundantes e para as que não podem ou não querem usar estrogénios.
Desvantagens:
algumas mulheres (cerca de 20%) podem manter-se sem menstruação durante algum tempo (muitas delas consideram uma vantagem); o implante pode ser sentido através duma palpação digital.

Injecção trimestral

Utilização: Injeção de hormônios sexuais femininas, com duração de eficácia contraceptiva de três meses.
Vantagem adicional:
elimina o risco de esquecimento.
Desvantagens:
a sua ação não só não pode ser interrompida como pode prolongar-se para além dos 3 meses (até 12 meses), não permitindo retomar de imediato a capacidade reprodutiva quando desejada; ciclo menstrual irregular e amenorreia (ausência de menstruação).

Dispositivos intra-uterinos (DIU)


Dispositivos intra-uterinos (DlU)
Utilização: são colocados, pelo médico, dentro da cavidade uterina para impedir que haja fecundação e que o óvulo fecundado se implante na parede do útero. Podem ser medicados com uma espiral de cobre ou com uma hormona (progesterona), aumentando a sua eficácia. Têm duração entre três a cinco anos.
Probabilidade de engravidar:
índice de Pearl: 1,2 a 1,7.
Vantagens:
alternativa para mulheres que não possam ou não queiram utilizar contracepção hormonal e que desejem uma contracepção prolongada.
Desvantagens:
provoca fluxos menstruais mais abundantes e ligeiro aumento de dores pré-menstruais nas mulheres com essa propensão.

Método sintotérmico


Método sintotérmico
Tendo por base os conhecimentos sobre a fisiologia feminina (temperatura basa!, tipo de ciclo menstrua!, avaliação das caracteristicas do muco cervical), procura-se saber quando é o período fértil da mulher, para haver abstinência sexual no casal.
Probabilidade de engravidar:
índice de Pearl: entre 4 e 16%, dependendo da motivação do casal.
Vantagem:
método mais fisiológico Desvantagens: não sendo muito eficaz, necessita de grande motivação, rigor nos cálculos e colaboração do casal.

Esterilização


Esterilização
Pequena intervenção cirúrgica sobre as trompas, interrompendo o canal que dá passagem aos óvulos na mulher (Laqueação de trompas) e dos espermatozóides no canal deferente do homem (Vasectomia). É um método definitivo, pelo que deve ser muito bem ponderado pelo casal. Probabilidade de engravidar: método muito eficaz.
Vantagens:
liberta a mulher da preocupação de uso de contraceptivos. Desvantagens: é muito difícil de recuperar a capacidade reprodutora, no caso do casal mudar de ideias em relação à sua reproclução.

Fonte

1 comentários:

Anônimo disse...

A minha preocupação é como fazer chegar a informação correta no momento de tomar a decisão.
Olha este video resumindo esta questão: http://alturl.com/obfcr
E a seguir, clique no link: http://alturl.com/oyn39
Obrigado

Postar um comentário

Deixe seu comentário.

Subscribe